Chef Paulo Martins


"Paulo foi o maior entusiasta e divulgador da cozinha amazônica. Deixou uma semente que se transforma hoje em um instituto que segue por meio da família, da Dani, da Joanna e da Tânia. Traçou um caminho brilhante, incrível, com uma mensagem e um conteúdo que o mundo espera, que são os sabores da Amazônia. Acredito que a grande virtude do Paulo como cozinheiro e como homem ainda vai aparecer, o Paulo é e sempre será para mim a maior fonte de inspiração, meu grande mestre."

Alex Atala

"Amigos, dizer o que foi o Paulo Martins requereria muitas paginas, que alias nao era o forte dele, homem de poucas palavras, porem diretas, pontuais, cabidas, cultas, embasadas, racionalizadas, enfaticas, profissionais e amorosas, como era a sua devoção a causa!! Repetidamente digo que ele foi a primeira pessoas da area que conheci no Brasil…. La se vao mais de 33 anos…. Quando fui apresentado a uma culinaria unica, desconhecida, magica e de grande cultura! Desde aquela epoca ele cultuava a cozinha integrada, ecologicamente correta, autosustentavel… ate porque os produtos que ele usava somente se encontravam na cidade natal dele!! Quando vislumbrei e entendi a profundidade e a visao dele no aspecto culinario….. Entendi que estava diante de um personagem de contos de fadas…. Me transportei a minha ousadia de desbravar um Pais (Brasil) com uma culinaria tambem desconhecida na epoca… a verdadeira Italiana!! Nao fiquem rindo disto, nada mais se trata que da verdade! Entao juntos iniciamos um movimento que pudesse desencadear aquilo que a posteriores aconteceu que fui a divulgacao e a importancia das comidas regionais… nao importava quais e de onde… mas regionalizadas! Por isso e mais as minhas razoes sentimentais me atracaram ao porto de Paulo Martins… um porto na beira de um oceano de agua doce, aonde ele desvendava para mim os misterios e as razoes dos atos dos cozinheiros indigenas…. Razao esse que fortaleceu ainda mais minha amizade e devocao ao trabalho deste meu amigo, arquiteto daquilo que julgo ter sido a melhor obra dele! Uma obra imensuradamente maior que quaisquer construcao civil pudesse fazer…. A nao ser se comparamos a comida Paraenso as efinges e Piramides….. Isso me lembro era o Paulo Martins! Um imortal da culinaria que tive o prazer de ter como amigo do peito ate os ultimos momentos de sua existencia!! Ciao Paulo Martins!! Para sempre!!! "

Danio Braga, chef de cozinha

"Paulo Martins foi quem apresentou a gastronomia brasileira ao mundo. Ele é um dos responsáveis pela exposição que nossa gastronomia tem hoje fora do Brasil."

Monica Rangel, chef de cozinha e presidente da Associação Brasil à Mesa

"PAULO MARTINS foi o ponto de inflexão da culinária amazônica que hoje tanto deslumbra o mundo. Sabendo do valor dos ingredientes regionais, tratou de dissemina-los no coração da gastronomia mundial. A atenção que Ferran Adrià deu aos ingredientes da floresta, destacando que o futuro da gastronomia estaria na China e na Amazônia, se deve em boa medida a Paulo Martins. Se muitos jovens podem hoje seguir essa trilha é graças a ele. Poucas são as pessoas que, nesse profissão, conseguem viver o seu território de maneira tão apaixonada e sincera como Paulo. Além disso, era um homem generoso e amigo - desses que marcam para sempre a alma dos que ficaram."

Carlos Alberto Dória, sociólogo

"O impacto do trabalho de Paulo Martins vai além da culinária. Considero que o Brasil deve muito a ele. Paulo desmistificou o uso dos produtos da floresta Amazônica, introduzindo-os às nossas mesas. Muito mais que cozinheiro, foi um embaixador da cultura brasileira. O que fazia este filho do Pará, era um manifesto cultural em forma de pratos.

Da Europa, acompanhei à distância os seus passos, e sua partida precoce me fez refletir ainda mais sobre o seu legado. Paulo nos ensinou a ter orgulho de ser brasileiros atraves da mesa. Mostrou que uma nação não pode crescer culturalmente se não souber valorizar os frutos de sua terra, e que ter orgulho de nossas raízes é o caminho mais rápido e efetivo para reconquistarmos nossa auto-estima e brilhar dentro e fora de casa. Acima de tudo, Paulo provou à mesa com suas pripriocas, frutos amazônicos e farinhas, que dar prioridade aos nossos produtos é sinônimo de cidadania.

O maior patrimônio deixado por ele é o de servir de inspiração para esta e novas gerações de chefs. Manter a memória de Paulo Martins viva é algo de extrema importância para o Brasil. Só um povo com memória cresce. E, se somos o que comemos, sejamos então brasileiríssimos, como o grande Paulo nos ensinou a ser!
"

Luciana Bianchi, escritora, jornalista e chef de cozinha. Vive entre a Europa e o Brasil.

"Para mim, definir o Paulo Martins em duas ou três frases é pouco. Talvez um livro fosse mais simples, por tudo o que ele fez e o legado que deixou. Foi um grande amigo, em que duas das suas maiores qualidades eram a descrição e o bom-senso. O Brasil gastronómico aprendeu com ele a valorizar o que é regional e a conhecer o universo inesgotável de sabores do Pará.

O Paulo deu a conhecer ao mundo os produtos e os costumes da cozinha Paraense, da qual tanto orgulho tinha, e com toda a razão.
Termino dizendo que sempre foi um grande companheiro de viagem e de partilha. A sua ausência continua a ser sentida.
"

Vitor Sobral, chef de cozinha português

"O Paulo, foi para mim, primeiramente um amigo, depois um chef de cozinha e depois uma instituição. 3 pilares que cultivava tao bem, que qualquer pessoa era capaz de identificar a índole, a honestidade e a generosidade que ele exalava. Era um homem apaixonado pelo seu terroir, com profundo conhecimento do hábitat que o criou, provavelmente ele pode ser considerado algum dia o Pai da Gastronomia Brasileira, um pai para o Alex Atala que tanto se impregnou da Amazonia, muito por conta da paixão do Paulo. Viajei com o Paulo varias vezes, recebia chefs que eu trazia da Europa, fizermos festivais no Lá em Casa, viajamos de aviaozinho para Ilha do Marajó, visitamos a Fazenda Sao Geronimo, comunidades indígenas…. ele fazia questão de mostrar tudo que o Pará oferece, mostrava o Ver o Peso com orgulho, os peixes, as frutas, as ervas, inclusive fazia questão do ritual da chegada do açaí. Viajei também com ele para Portugal, no Festival Lisboeta Comidas do Sabor que o Vitor Sobral organizava. Viajamos pela Europa, numa das viagens, com Tania e Alex, desta vez em Barcelona, visitamos o taller do Ferran, o BulliTaller, o Paulo levou uma mala cheia de ingredientes paraenses. Tinha de tudo, farinhas, polpas de frutas, castanhas e o rico tucupí. Foi uma tarde incrível onde a equipe do Ferran, enlouquecia cada vez que abríamos uma sacola….Nunca vamos esquecer…. aquilo foi 2002, lembra Tania?

Foi um homem muito importante na gastronomia brasileira, que com certeza marcará história. Sempre observei que tinha uma saúde delicada, mas nunca imaginei que nós deixaria com tanta rapidez. Esteja onde esteja desejo o melhor para ele….

Grande Beijo Paulo, Un Petó molt Fort!!!
"

Joana Munné, produtora gastronômica

R. João Balbi, 254 - Sala D - Nazaré, Belém/PA - 66055-260 - (91) 3242.4222 ...... Todos os direitos reservados ao Instituto Paulo Martins